Dica para ouvir + Entrevista: La Madre

A La Madre é uma Banda de Rock de São Paulo que tem formação desde 2009. No início, seu repertório era repleto de covers com músicas clássicas do Rock Nacional e Internacional. No decorrer das apresentações que realizavam em bares e pubs, de São Paulo e outros Estados, a banda se dedicou ao trabalho autoral.

A banda lançou um CD autoral em Outubro de 2015 e, desde então, tem feito shows e divulgado este novo trabalho. Recentemente a banda lançou o novo clipe da música Destinos.

O vídeo clipe conta a história de uma pessoa que vive um dilema interno com suas emoções e se encontra perdido sem saber qual o sentido da vida. Até que ele conhece uma linda garota que o ajuda a sair daquela depressão e o leva para assistir o show da banda La Madre.

Sua formação vem com Leo Richter (Voz / Guitarra), Tico Rodriguez, (Guitarra), Felipe Gabriel (Baixo) e Nando Oliveira (Bateria), O vocalista já teve destaque na grande na mídia no início dos anos 2000, quando integrou a banda Twister, grupo de grande sucesso e uma febre entre as adolescentes da época.

Atualmente, a banda está com o projeto Vida de Fã, uma web série que mostrará histórias engraçadas, emocionantes e curiosas de fãs de vários artistas. Para participar da série, o fã precisa enviar sua história – de acordo com o regulamento – para seleção da produção da série e para a fã selecionada ganhará um pocket show da La Madre. As gravações contarão com direção de Léo Richter, que atualmente, se divide entre os vocais e a guitarra do La Madre e também faz parte da banda de apoio nos shows da Banda Malta.

O Dicas da Paty bateu um Papo com essa galera que fala sobre suas influências, sobre o que acham da situação do rock atual e a ideia da produção de Vida de fã, confere aí:

– Como surgiu a ideia para o nome da banda?

Leo> Eu dei a ideia do nome, pois estive muitas vezes no México e fiquei fascinado pela cultura e música de lá. Trouxe muitas influências de lá. Os mexicanos usam muito a expressão “La Madre” para definir quando uma coisa está boa (ótima), uma comida, uma música, um filme, etc. Então quando voltei para o Brasil e montei a banda eu queria um nome forte, e me lembrei dessa expressão!

– Vocês sempre tiveram vontade de seguir com a área musical ou tinham outros planos?

Leo> Eu sempre soube que a música seria minha vida, desde os 13 anos eu já via claramente isso, e desde então sigo nessa jornada.

E paralelamente eu também trabalho com produção de vídeo.

Felipe> Sempre tive o interesse da área musical!

Tico>  Sempre tive interesse na área musical e tive influencia por ter músicos na família, por isso gosto desde criança.

Nando> Eu Fiz publicidade, apenas técnico, mas tinha vontade de seguir a propaganda. Ao fim do ensino médio já comecei a dar aulas com o convite do meu professor da época. Em poucos meses já tinha uma grade de uns 10 alunos e estava ganhando minha grana com música. Nesta mesma época, recebi um convite de uma banda local que fazia shows na noite do Vale do Paraíba. Daí eu resolvi que a música seria meu caminho. Sempre digo que não escolhi a música e sim a música me escolheu! Rs. Larguei a publicidade e me dediquei seriamente à bateria, até me formar em música em 2004. E aqui estou até hoje.

– Quais são as influências musicais de cada um?

Leo> Rock anos 70 e 80, Metal Alternativo, Post-Grunge e Música Clássica. Desde Cazuza, Engenheiros, Oficina G3, Kansas, Journey, Iron Maiden, Dream Theater, Mr. Big, Metallica, Alter Bridge e Beethoven. Cantores: Bruce Dickinson, Steve Perry, Myles Kennedy, Mauro Henrique;

Felipe> Bandas: Iron Maiden, Deep Purple, Whitesnake, Aerosmith, Mr.Big, Pantera, Skid Row, Nickelback e etc. Baixistas: steve harris, glenn hughes, billy sheehan, geddy Lee, marco mendoza, rudy sarzo, Dave LaRue, Randy Coven, Flea;

Tico> Influência de Van Halen, Raimundos, Engenheiros do Hawaii. Já na Guitarrista: Eddie Van Halen

Nando>  Cresci ouvindo música evangélica e isso me ajudou a curtir de tudo um pouco. As bandas que mais marcaram foram: Van Halen, Dream Theater, Petra, Mr. Big, Deep Purple e entre muuuuitas outras. Já Bateristas: Buddy Rich, Dennis Chambers, Pat Torpey, John Bonham, Dave Weckl, Kiko Freitas e João Barone.

– Como vocês veem a situação do rock nacional atualmente?

Leo> Não vemos muitas bandas fazendo Rock Nacional, pois elas querem estar na mídia, nas rádios… E isso faz com que mudem seu estilo, se adequem para serem aceitas. Sinto que com a força da internet hoje, as bandas podiam apostar mais na sua música, tenho certeza que o público está aí sedento por isso, só faltam mais bandas acreditarem e fortalecerem a cena novamente.

Fazerem música sem se preocuparem em agradar o cara da gravadora, ou da rádio, não dependerem da grande mídia.

Se o trabalho é bom e diferenciado, certamente com o tempo conquistará seu espaço!

Felipe> O rock nacional atualmente está parado, congelado, estático, sem espaço para se mover, a nível nacional eu acredito que bandas que conseguiram solidificar e perpetuar uma carreira  ficaram no passado no final dos anos 70′, nos anos 80′ e 90′ e pouquíssimo nos anos 2000 como os Titãs, Paralamas do Sucesso, Barão Vermelho, Capital Inicial, Charlie Brown Jr, Rappa, J Quest e etc e ate hoje vivem dos sucessos desses anos. O Brasil está carente de rock atual de qualidade, porém as “vitrines” televisivas comuns e mídias populares também não estão muito abertas para o gênero. O foco e todo voltado para gêneros populares regionais e variações modernas “universitárias”

Nando> Vejo que o mercado do rock está cada vez mais difícil. A música hoje está muito voltada ao que dá dinheiro, ao que enriquece empresários. E o rock, por não ser de acesso de massa, principalmente no Brasil, sofre com isso, pois é um gênero autêntico. A maioria dos roqueiros se preocupa com a arte, com técnica e isso vai contra o mercado. Já estamos num período onde não surgem mais bandas de rock de verdade. Tudo o que se vê é mistura de rock com alguma coisa, na tentativa de embalar algo na rádio e que seja de gosto bem popular.

– Já teve alguma loucura de fã? Se sim, como foi?

Felipe> Sim, aos 17 anos vendi meu primeiro contra baixo de cinco cordas, que, diga-se de passagem, era meu único baixo no momento por um valor extremamente baixo, para ir a um show que tocou o Whitesnake, Judas Priest e o Angra… Resumindo… Fiquei sem baixo por alguns bons meses, precisando sempre de emprestados dos amigos para shows, ensaios e etc…

– Como foi à produção do clipe Depois?

Leo> A música é simples e direta, e como é o nosso primeiro clipe queríamos algo simples e direto também, que valorizasse cada integrante da banda, sem ter um roteiro rebuscado e com história.

Então filmamos no mesmo Studio que gravamos nosso CD, o Power Áudio em Guarulhos.

Clipe Depois

– Como surgiu a ideia da Web série Vida de fã? E como está sendo a experiência?

Leo> Quando nós começamos nossas carreiras musicas não tinha muitos lugares pra tocar, então fazíamos shows nas festas na casa dos amigos, na garagem… Então resolvemos resgatar essas memórias e montar a web serie, onde reverenciamos os fãs, que contam suas histórias quando visitamos suas casas para fazer um pocket show para ele e seus amigos e também registrar suas histórias.

– E os planos para o final do ano?

Leo> Os planos são filmar mais episódios da web serie e também lançar mais um clipe, além do novo show que estamos preparando e também à gravação de um novo single.

Redes Sociais da Banda:

www.facebook.com/bandalamadre

Insragram @lamadrerock

www.youtube.com/lamadrerock

www.lamadrerock.com.br

la-madre

Deixe uma resposta