Entrevista com Desertores em Veneta

SAIUUUU NOVA ENTREVISTA
O Dicas da Paty gravou uma entrevista com Desertores em Veneta. Os meninos contam sobre o surgimento da Banda, sobre o que acham do cenário musical nacional e planos para 2017.
Se você curte música, novidades na área cultural e gosta de conhecer novas bandas; então confere o vídeo, curta e compartilhe com seus amigos.
A entrevista foi feita no Laje 795, agradeço ao local por ter disponibilizado o local.
O Dicas da PaTy é um site com artigos, notícias e reportagens. Além, de sugestões para você acompanhar vídeos, lugares, música, séries e livros.

Dica para ouvir: Drive To Glory

drive-to-glory-2

A banda de Hardcore Drive To Glory tem formação desde 2013 e é da cidade de Araraquara. Em 2015, a banda teve alteração de integrantes e atualmente sua formação vem com Tom (Vocal), Wilson (Guitarra), Rick (Guitarra), Kako (Bateria/Vocal) e Jonas (Baixo).

Em 2013, a banda lançou seu EP intitulado “País da Copa”, logo após o álbumProtesto”, este tendo a participação em uma das faixas do vocalista Lucas Guerra da banda Pense.

A Drive to Glory já participou de vários eventos underground que contou com a presença de várias bandas já conhecidas no cenário. O som deles mantém as vertentes do Hard core tradicional, com o vocal marcante do vocalista e os timbres tem uma mistura boa com um som mais pesado.

Este ano, eles lançaram seu primeiro Clipe Fala do Jão, disponível no Yuotube:

Acompanhe as mídias sociais da Banda:

 

Facebook

Dica para ouvir: The Bunker Band

the-bunker-band

A banda de Pop Rock The Bunker Band, tem formação desde 2011, da região do Rio de Janeiro, seus integrantes são: Daniel Gomez (Voz/Guitarra), Samuel Oliveira (Voz/Guitarra), Leonardo Antunes (Teclado), Sérgio Scaramelo (Bateria) e Fernando Amaral (Baixo).

A banda lançou no ano passado, o EP The Story Hasn’t Been Told Yet, são melodias com sonoridade que empolgam quem está escutando. Indico escutarem A Coffee or TwoPiece of the Puzzle e The End que tem uma junção de riffs e batidas rápidas.

Dica para ouvir: Digo Policiano

digo-policiano

O cantor Digo Policiano está se destacando cada vez mais no cenário autoral. Suas letras românticas afirmam o sucesso pelas visualizações de vídeos no Yuotube, são mais de 300 mil visualizações em seu canal.

O cantor que é da região de São José do Rio Pardo iniciou a sua carreira desde 2011. No ano de 2014, depois do lançamento do EP Fui Voar, suas músicas começaram a se destacar no interior de São Paulo. Hoje, já morando na capital de São Paulo, o cantor teve o auxilio da internet para que suas músicas fossem transmitidas pra quem quiser ouvir. Destaco canções como: Primeiro Trem, Amigo Sentidor e De Longe.

Após o sucesso na web, ele teve a oportunidade de gravar um DVD em sua cidade natal, que lotou o teatro e seu clipe “Amigo Sentidor“ foi escolhido em nono lugar como o melhor videoclipe nacional de 2014, pelo site 1001videoclipes, concorrendo com nomes de pesos como Banda do Mar, O Rappa, Pitty, Criolo, Emicida e Capital Inicial.

Acompanhe as mídias sociais do cantor:

Facebook

Twitter

Instagram

 

Canal no Yuotube

Dica para ouvir + Entrevista: Luneta Vinil

luneta

A banda Luneta Vinil tem uma proposta diferente, suas músicas mesclam vários estilos como o indie, classic rock, folk e música brasileira. As letras retratam histórias de amor e sobre o cotidiano.

O grupo, que é da região de Guarulhos, iniciou suas atividades com Elís Lucas (Voz e Violão), Cristiane Araújo (Voz e Percussão) e Bruno Dela Torre (Baixo); atualmente, ganhou mais dois integrantes: Márcio Menechini (Guitarra) e Carlão Semprini (Bateria).

O Dicas da Paty bateu um Papo com Elís que fala sobre o surgimento da banda, da produção do EP “Tanta coisa pra falar” e o processo de lançamento do novo disco ”Tocando Amores”.

– Como aconteceu a formação?

Conheci a Cris quando eu tocava em um barzinho em 2012, aí a convidei para tocar comigo. O Bruno é cunhado de um grande amigo meu, e numa oportunidade que tivemos de conversar, mostrei meus sons a ele, que de cara se interessou. Então, nasceu o trio Luneta Vinil, em 2013. De lá pra cá passaram outras pessoas pela banda e, recentemente, nos tornamos um quinteto. Saímos da versão acústica do EP com a entrada do nosso produtor na guitarra (Marcio Menechini) e o Carlão na batera. Essa nova formação entrará em campo no lançamento do nosso disco “Tocando Amores”.

– Qual é a melhor parte e a maior dificuldade em trabalhar com música?

A melhor parte é que isso nos move, nos faz sentirmos inteiros. A dificuldade é o investimento, o mercado. Com a internet, se por um lado tornou-se mais acessível mostrar o trabalho; por outro, tornou-se mais competitivo também.

– Quais são as influências musicais de cada um?

Eu ouço de tudo, mas principalmente muita música brasileira, do sul ao norte do país. Tom Zé, Itamar Assumpção e Arnaldo Antunes formam o trio de compositores que representa uma espécie de escola pra mim. São letristas incríveis. Elis Regina, a melhor intérprete. E a nova safra de artistas como Marcelo Jeneci, Léo Fressato e Pélico, são alguns nomes que também me influenciam. A Cris é bem eclética, gosta tanto de Maria Gadú, O Rappa e Criolo quanto Metálica, Florence e Dire Straits. Já os meninos têm o rock and roll como maior influência em comum.

– Por serem duas vocalistas, como vocês percebem o mercado musical? Ele é mais receptivo ou tem mais barreiras profissionalmente?

Percebemos que a maioria das bandas é formada por homens no vocal, mas até agora não sentimos diferença em relação a isso.

– Como foi o processo do EP Tanta Coisa Pra Falar?

O processo sempre é parte fundamental do trabalho. É quando vemos a transformação da música e seu amadurecimento. O EP foi produzido por nós três, Cris, Bruno e eu. Tínhamos apenas um ano de banda e metemos as caras. O pessoal que já nos acompanhava nos shows, nos cobrava um registro, então o fizemos. Gravamos no estúdio de um amigo, Leandro Sousa, na Casa Clam, um espaço cultural independente aqui da cidade. Organizamos e bancamos o trabalho, assim como estamos fazendo com o disco. Demos o melhor que podíamos naquele momento. Aprendemos muito. E foi um bonito registro daquele tempo. Hoje, com um produtor no comando, Marcio Menechini, a história é outra. O aprendizado triplica.
– E os planos para o segundo semestre de 2016?

Estamos finalizando o nosso primeiro disco, que terá 13 faixas. E enquanto não voltamos aos palcos  estamos planejando esse lançamento, que será no primeiro semestre de 2017.

Baixe o single:

 

 

Dica para ouvir: Alameda Dos Anjos

banda-alameda-dos-anjos

A Banda de Pop-Rock, Alameda Dos Anjos aborda temas de conflitos atuais como homofobia, conflitos religiosos e amorosos. Sua formação vem Dani Policastro  (Voz, Teclado, Guitarra e Violão), Diego Balbino (Voz, Violão e Guitarra), Marcello Sorrany (Voz, Guitarra e Violão), Mauricio Santos (Baixo e Voz), e Léo Policastro (Bateria)

Suas influências são inspiradas nas bandas de rock dos anos 80, 90 e grandes nomes da MPB. Tem um álbum lançado no final do ano passado Por mais simples que seja.

O Dicas da Paty bateu um papo com essa galera que fala sobre o seu surgimento, a criação do álbum e os planos para o futuro, fica a dica:

– Como aconteceu a formação da banda?

O Marcello e o Mauricio que trabalhavam juntos tiveram a primeira ideia de tocarem juntos. Descobriram algum tempo depois nos CEU Jambeiro, em Guaianazes, o programa Vocacional de música que acontece em vários equipamentos da cidade de São Paulo e viram nele a possibilidade de formação de bandas e o resto foi acontecendo realmente por conta do programa. Um dia, o Marcello foi num show e conheceu a Dani que também estava no Vocacional do Centro Cultural da Juventude, na Cachoeirinha, e trocaram contatos.

Pouco tempo depois Marcello conheceu também o Diego pelo programa, num encontro entre os equipamentos de cultura da Zona leste e ele tinha outro projeto, chamado Diz, de voz e violão. Após esse encontro, aconteceu uma apresentação desses grupos em Pinheiros e a Dani foi assistir. Ela e o Marcello já estavam com a ideia de juntar o grupo, o Marcello Chamou o Mauricio e ela chamou o Léo, seu irmão com quem já tocava a bastante tempo.

A banda seguiu como um quarteto de outubro a dezembro de 2014. No fim do ano, a Diz se desfez e surgiu a ideia de chamar o Diego para a banda. Tanto ele quanto a Alameda foram convidados para tocar no Praça & Prosa, um sarau organizado pelos jovens monitores de algumas bibliotecas da ZL. Após a apresentação, o convite foi feito e finalmente sentimos que a banda está completa.

– Como surgiu a ideia para o nome da banda?

Nossa primeira ideia era outro nome e até criamos o nosso logo e tudo mais em cima dele. Porém, já havia uma banda com aquele nome e então, veio à ideia de Alameda os Anjos, uma referência a algo que todos gostam e soa legal. Até o logo combinou melhor com ele (risos).

– Vocês foram patrocinados pelo programa VAI da Prefeitura de São Paulo, como ocorreu esse apoio?

O VAI é um edital anual de incentivo à cultura para artistas e grupos que estão começando seus projetos. Tivemos a sorte de ser um dos grupos selecionados logo em nosso primeiro ano de banda, isso tanto pelo nosso som quanto pela temática de nossas músicas. No primeiro ano gravamos o nosso primeiro disco e fizemos algumas apresentações em centros culturais. Fomos aprovados novamente esse ano e estamos realizando apresentações de rua para divulgar o trabalho para mais pessoas. Somos muito gratos ao programa, pois sem ele nem saberíamos como chegar até aqui. Agora temos equipamento e condições de realizar nossas apresentações por conta própria, sem depender de convites ou da venda de ingressos para as casas de shows, e isso é muito importante para uma banda em fase de formação de público.

– Sobre o processo criativo, um fica responsável pela letra e outro melodia ou é um processo colaborativo?

Não temos uma divisão, geralmente, tudo vai acontecendo; Quanto às músicas do disco, foram feitas individualmente pelo Diego, a Dani e o Marcello, letra e melodia. Porém, cada um deu a sua cara quando começamos a criar os arranjos. Ainda temos muitas músicas feitas individualmente, mas também começamos nossas parcerias, tanto com outros membros da banda quanto com outros artistas. O Mauricio também está compondo, o Diego tem parcerias com a Dani, o Mauricio, o Marcello e o Mano Chel, que é um Rapper muito bom de Guaianazes e temos também um a música totalmente composta por um grande amigo nosso, o cantor e compositor Gabriel Ferreira.

– Como surgiu a ideia do álbum “Por mais simples que seja”?

Quando conversamos logo após a entrada do Diego para a banda, percebemos que já tínhamos músicas suficientes para um disco. Como havíamos gravado nosso ensaio para a apresentação no Praça & Prosa (uma gravação horrível feita com uma câmera e o som de um amplificador onde ligávamos todos os instrumentos) começamos a divulgar assim mesmo, mas sabíamos que precisávamos de um material melhor. Foi então que ficamos sabendo do VAI. Já havíamos percebido também que as músicas tinham muita coisa em comum. Passamos por coisas parecidas e escrevemos sobre o que sentimos. O medo, a solidão, a LGBTfobia, depressão e a busca do amor na cidade grande são os pontos principais desse trabalho.
Após sermos aprovados no edital, convidamos o Fernando Diniz (que havia sido Artista Orientador do Marcello e do Mauricio no vocacional) para dirigir o trabalho. A Eva Figueiredo e o Paulo de Tarso também se ofereceram para ajudar e gravamos no Estúdio K9 do Thiago Sabino que também deu a maior força. Além deles, também tivemos muito apoio do Ricardo Valverde, da Tutti Madazio, do Edson Pelicer, que criou conosco a capa do disco.. É tanta gente que dá medo de esquecer alguém (risos).

– E os planos para o final de 2016?

Estamos finalizando a gravação de nosso primeiro videoclipe da canção “Desgrenhado”, que está sendo produzido pela Mirrah Iañes. Também gravamos com ela uma apresentação que aconteceu no Teatro Flávio Império no dia 07/10/2016. Como temos muito material da gravação do disco em vídeo também, temos a ideia de juntar tudo num documentário sobre ele ou simplesmente lançar esses vídeos no Yuotube, mas ainda estamos estudando o que será melhor. Estamos nos apresentando também em Saraus pela cidade e temos mais algumas apresentações de rua pelo VAI até janeiro, com datas a serem confirmadas e seguimos trabalhando nas músicas novas.

Para acompanhar e ficar sabendo das novidades basta nos acompanhar pelas redes sociais:

 

Facebook

Twitter

Palcomp3

Youtube

 

 

Dica para ouvir + Entrevista: La Madre

A La Madre é uma Banda de Rock de São Paulo que tem formação desde 2009. No início, seu repertório era repleto de covers com músicas clássicas do Rock Nacional e Internacional. No decorrer das apresentações que realizavam em bares e pubs, de São Paulo e outros Estados, a banda se dedicou ao trabalho autoral.

A banda lançou um CD autoral em Outubro de 2015 e, desde então, tem feito shows e divulgado este novo trabalho. Recentemente a banda lançou o novo clipe da música Destinos.

O vídeo clipe conta a história de uma pessoa que vive um dilema interno com suas emoções e se encontra perdido sem saber qual o sentido da vida. Até que ele conhece uma linda garota que o ajuda a sair daquela depressão e o leva para assistir o show da banda La Madre.

Sua formação vem com Leo Richter (Voz / Guitarra), Tico Rodriguez, (Guitarra), Felipe Gabriel (Baixo) e Nando Oliveira (Bateria), O vocalista já teve destaque na grande na mídia no início dos anos 2000, quando integrou a banda Twister, grupo de grande sucesso e uma febre entre as adolescentes da época.

Atualmente, a banda está com o projeto Vida de Fã, uma web série que mostrará histórias engraçadas, emocionantes e curiosas de fãs de vários artistas. Para participar da série, o fã precisa enviar sua história – de acordo com o regulamento – para seleção da produção da série e para a fã selecionada ganhará um pocket show da La Madre. As gravações contarão com direção de Léo Richter, que atualmente, se divide entre os vocais e a guitarra do La Madre e também faz parte da banda de apoio nos shows da Banda Malta.

O Dicas da Paty bateu um Papo com essa galera que fala sobre suas influências, sobre o que acham da situação do rock atual e a ideia da produção de Vida de fã, confere aí:

– Como surgiu a ideia para o nome da banda?

Leo> Eu dei a ideia do nome, pois estive muitas vezes no México e fiquei fascinado pela cultura e música de lá. Trouxe muitas influências de lá. Os mexicanos usam muito a expressão “La Madre” para definir quando uma coisa está boa (ótima), uma comida, uma música, um filme, etc. Então quando voltei para o Brasil e montei a banda eu queria um nome forte, e me lembrei dessa expressão!

– Vocês sempre tiveram vontade de seguir com a área musical ou tinham outros planos?

Leo> Eu sempre soube que a música seria minha vida, desde os 13 anos eu já via claramente isso, e desde então sigo nessa jornada.

E paralelamente eu também trabalho com produção de vídeo.

Felipe> Sempre tive o interesse da área musical!

Tico>  Sempre tive interesse na área musical e tive influencia por ter músicos na família, por isso gosto desde criança.

Nando> Eu Fiz publicidade, apenas técnico, mas tinha vontade de seguir a propaganda. Ao fim do ensino médio já comecei a dar aulas com o convite do meu professor da época. Em poucos meses já tinha uma grade de uns 10 alunos e estava ganhando minha grana com música. Nesta mesma época, recebi um convite de uma banda local que fazia shows na noite do Vale do Paraíba. Daí eu resolvi que a música seria meu caminho. Sempre digo que não escolhi a música e sim a música me escolheu! Rs. Larguei a publicidade e me dediquei seriamente à bateria, até me formar em música em 2004. E aqui estou até hoje.

– Quais são as influências musicais de cada um?

Leo> Rock anos 70 e 80, Metal Alternativo, Post-Grunge e Música Clássica. Desde Cazuza, Engenheiros, Oficina G3, Kansas, Journey, Iron Maiden, Dream Theater, Mr. Big, Metallica, Alter Bridge e Beethoven. Cantores: Bruce Dickinson, Steve Perry, Myles Kennedy, Mauro Henrique;

Felipe> Bandas: Iron Maiden, Deep Purple, Whitesnake, Aerosmith, Mr.Big, Pantera, Skid Row, Nickelback e etc. Baixistas: steve harris, glenn hughes, billy sheehan, geddy Lee, marco mendoza, rudy sarzo, Dave LaRue, Randy Coven, Flea;

Tico> Influência de Van Halen, Raimundos, Engenheiros do Hawaii. Já na Guitarrista: Eddie Van Halen

Nando>  Cresci ouvindo música evangélica e isso me ajudou a curtir de tudo um pouco. As bandas que mais marcaram foram: Van Halen, Dream Theater, Petra, Mr. Big, Deep Purple e entre muuuuitas outras. Já Bateristas: Buddy Rich, Dennis Chambers, Pat Torpey, John Bonham, Dave Weckl, Kiko Freitas e João Barone.

– Como vocês veem a situação do rock nacional atualmente?

Leo> Não vemos muitas bandas fazendo Rock Nacional, pois elas querem estar na mídia, nas rádios… E isso faz com que mudem seu estilo, se adequem para serem aceitas. Sinto que com a força da internet hoje, as bandas podiam apostar mais na sua música, tenho certeza que o público está aí sedento por isso, só faltam mais bandas acreditarem e fortalecerem a cena novamente.

Fazerem música sem se preocuparem em agradar o cara da gravadora, ou da rádio, não dependerem da grande mídia.

Se o trabalho é bom e diferenciado, certamente com o tempo conquistará seu espaço!

Felipe> O rock nacional atualmente está parado, congelado, estático, sem espaço para se mover, a nível nacional eu acredito que bandas que conseguiram solidificar e perpetuar uma carreira  ficaram no passado no final dos anos 70′, nos anos 80′ e 90′ e pouquíssimo nos anos 2000 como os Titãs, Paralamas do Sucesso, Barão Vermelho, Capital Inicial, Charlie Brown Jr, Rappa, J Quest e etc e ate hoje vivem dos sucessos desses anos. O Brasil está carente de rock atual de qualidade, porém as “vitrines” televisivas comuns e mídias populares também não estão muito abertas para o gênero. O foco e todo voltado para gêneros populares regionais e variações modernas “universitárias”

Nando> Vejo que o mercado do rock está cada vez mais difícil. A música hoje está muito voltada ao que dá dinheiro, ao que enriquece empresários. E o rock, por não ser de acesso de massa, principalmente no Brasil, sofre com isso, pois é um gênero autêntico. A maioria dos roqueiros se preocupa com a arte, com técnica e isso vai contra o mercado. Já estamos num período onde não surgem mais bandas de rock de verdade. Tudo o que se vê é mistura de rock com alguma coisa, na tentativa de embalar algo na rádio e que seja de gosto bem popular.

– Já teve alguma loucura de fã? Se sim, como foi?

Felipe> Sim, aos 17 anos vendi meu primeiro contra baixo de cinco cordas, que, diga-se de passagem, era meu único baixo no momento por um valor extremamente baixo, para ir a um show que tocou o Whitesnake, Judas Priest e o Angra… Resumindo… Fiquei sem baixo por alguns bons meses, precisando sempre de emprestados dos amigos para shows, ensaios e etc…

– Como foi à produção do clipe Depois?

Leo> A música é simples e direta, e como é o nosso primeiro clipe queríamos algo simples e direto também, que valorizasse cada integrante da banda, sem ter um roteiro rebuscado e com história.

Então filmamos no mesmo Studio que gravamos nosso CD, o Power Áudio em Guarulhos.

Clipe Depois

– Como surgiu a ideia da Web série Vida de fã? E como está sendo a experiência?

Leo> Quando nós começamos nossas carreiras musicas não tinha muitos lugares pra tocar, então fazíamos shows nas festas na casa dos amigos, na garagem… Então resolvemos resgatar essas memórias e montar a web serie, onde reverenciamos os fãs, que contam suas histórias quando visitamos suas casas para fazer um pocket show para ele e seus amigos e também registrar suas histórias.

– E os planos para o final do ano?

Leo> Os planos são filmar mais episódios da web serie e também lançar mais um clipe, além do novo show que estamos preparando e também à gravação de um novo single.

Redes Sociais da Banda:

www.facebook.com/bandalamadre

Insragram @lamadrerock

www.youtube.com/lamadrerock

www.lamadrerock.com.br

la-madre

Dica para ouvir + Entrevista com a Banda Kilotones

kilotones-33

Com uma proposta diferente no cenário musical, a banda Kilotones nos apresente seu primeiro álbum Campo Minado.  O disco foi produzido por Paulo Vaz, integrante da banda Supercombo com mixagem de Léo Ramos e Fernando Martínez.

Formada pelos irmãos AJ Barrionovo (vocal e baixo), JP Barrinovo (guitarra) e Pedro Barrionovo (baterista); da região de Ribeirão Preto, o grupo aborda temas que quase nunca são abordados, questões sobre a visão, de como é está inserido em algum lugar e enxergamos além desse ambiente.

O nome “Campo Minado” é baseado em uma pessoa cega que está caminhando no escuro sem saber o que a espera à sua frente. Com combinações de timbres pulsantes, melodias empolgantes e uma voz “rasgada”; tudo isso, se encaixou ao ser feito o disco.

A canção Pé na Porta foi à primeira música de trabalho com um clipe lançado em setembro.

Com pouco tempo de estrada já tocaram em festivais importantes, como 1º Rock e solidariedade – da Rádio Rock 89, na Expo Music 2016, no Sesc Ribeirão e o grupo foi finalista do concurso de bandas do João Rock. Além disso, vão participar da próxima edição do Sampa Music que rola no próximo domingo (23), no espaço Victory, em São Paulo.

O Dicas da Paty bateu um Papo com essa galera que fala sobre a produção do novo trabalho, sobre como é trabalhar com Paulo Vaz e os planos futuros, confere aí:

– Vocês sempre tiveram vontade de seguir com a área musical ou tinham outros planos?

A Kilotones nasceu em Maio deste ano, mas estamos fazendo som juntos há 17 anos. E além de banda, somos três irmãos de sangue. Tudo o que fizemos até hoje teve um planejamento aliado a uma expectativa para chegar a um objetivo. Assim, naturalmente, sempre nos motivamos a seguir na área musical.

– Quais são as influências musicais de cada um?

As nossas influências convergem em muitos pontos, mas temos peculiaridades de cada integrante que somam bastante no processo de composição.

Pedro – Influências: Dave Matthews Band, Jamiroquai, Jojo Mayer and Nerve, Audioslave, Jack White, Qotsa, O Rappa, Pitty, CBJR, Supercombo, Scalene, Far From Alaska, Twenty One Pilots, Cake, Arctic Monkeys, Kaiser Chiefs, Killers.

JP – Influências: estilos como Grunge, Blues, Jazz, Funk. Bandas: Royal Blood, MUSE, Franz Ferdnand, Supercombo, Far From Alaska, etc…

AJ – Influências: Royal Blood, Nirvana, Scalene, Supercombo, The Killers, Far From Alaska, Suricato, Calvin Harris, Coldplay, Silverchair, Daft Punk, Arctic Monkeys, Franz Ferdnand, Muse

– Como surgiu a ideia para o nome da banda?

Estávamos procurando um nome que tivesse a ver com o som que estávamos produzindo. E no meio de um brainstorm o AJ sugeriu algo que fosse explosivo como uma bomba. Procurando algo semelhante ele achou Kiloton, uma unidade de medida de energia da explosão de mil toneladas de TNT. Foi então que o JP sugeriu que nós fossemos os Kilotones. Todos curtiram o nome e foi a partir daí que o adotamos.

– Como foi trabalhar com Paulo Vaz?

Foi e está sendo uma experiência fantástica. O Vaz é uma pessoa que nos surpreendeu pela grande humildade aliado a um talento como produtor fora do comum. Já tivemos outras experiências com produtores, mas foi com o Vaz que vimos com clareza à função de um bom produtor nos dias atuais. E por criarmos uma interação de confiança e respeito, acabamos nos tornando amigos além da música.

– A criação de “Campo Minado” teve alguma influência pessoal de algum integrante da Banda?

Campo Minado foi o resultado de uma história. Ao longo de 27 anos convivendo juntos e 17 anos tocando juntos, tivemos a oportunidade de descobrir, aprender e construir uma relação que vai muito além da música. Como tudo na vida nós vivemos ciclos onde cada pessoa inserida em um grupo contribui para construção de algo maior. Hoje, no Kilotones, as ideias que o Pedro tem introduzido na banda tem dado o norte para criação da identidade e o conceito do grupo, ideias que somadas ao talento individual do AJ e JP também como instrumentistas, arranjadores e compositores, além da produção de Paulo Vaz, formam o que é a Kilotones e o álbum Campo Minado.

– Como surgiu a ideia e como foi à produção do clipe “Pé na Porta”?

A ideia de fazer este clipe partiu do nosso produtor, Paulo Vaz. Nós nos preocupamos em mostrar a essência do som e da banda, os três irmãos tocando em um ambiente escuro, apenas com as luzes do local. Assim valorizar a composição e a mensagem que a Kilotones quer passar com a performance. O público pode sentir a energia da Kilotones e imaginar o como é o show ao vivo.

– E os planos para o final de 2016?

Depois de lançar o álbum Campo Minado entramos agora no processo de divulgação e shows. Esta é a fase que mais vamos tocar e falar sobre o trabalho. Para acompanhar onde estaremos é só acessar nossas redes sociais com o nome KilotonesOficial e no site www.kilotones.com.br. O Campo Minado já está nas principais plataformas digitais, como Spotify, Deezer, iTunes entre outras. Inscrevam-se no canal do YouTube, para nós é muito importante este link com público. E já temos também a Loja Kilotones com CD, Camiseta, Colantes e Palheta personalizada; Paralelo a isso já começamos a criar novas composições. No começo do ano que vem entraremos no processo de gravação novamente.

Conheça mais sobre a Kilotones:

Site

Yuotube

Instagram

Dicas para ouvir + Entrevista: Banda Folks

folks

A Banda carioca Folks vem se destacando no cenário independente com um som autoral, composições bem elaboradas e melodias no estilo do Classic Rock. Tem um vocal potente do vocalista Kauan Calazans que se completa com Luca Neroni (guitarra), Paulinho Barros (guitarra/voz), Vitor Carvalho (baixo/Voz) e Ygor Helbourn (bateria),

A banda lançou em 2015 seu primeiro álbum, gravado na Toca do Bandido com produção de Felipe Rodarte. Tem um som envolvente e suas letras falam sobre questões amorosas e questões de autoconhecimento que cada um precisa ter. Destaco algumas músicas como: “Carol”, “A Casa dos lugares”, “Sei”, “Muito Som” e “Para Um Grande Amor“.

Eles já viajaram por diversos estados fora do Rio de Janeiro, como São Paulo, Brasília, Minas Gerais e entre outros. Seu Clipe “Muito Som” está perto de completar 100 mil visualizações no Yuotube:

O vocalista Kauan Calazans conta para os leitores do Dicas da Paty sobre a produção do primeiro disco, a produção do clipe e de como surgiu a idealização do projeto #AcenaVive.

– Como aconteceu a formação da banda?

A galera já se conhecia da estrada. O Folks se formou em 2011, mas todos já tinham pelo menos 10 anos de experiência na cena independente. Nós juntamos naquela época pra fazer um som que tocasse nossos corações, que realmente nos fizesse sentir bem, quando entramos no estúdio não sabíamos o que iria acontecer.

– Como surgiu a ideia para o nome da banda?

Nós já estávamos compondo, mas não tinha nome e estávamos nessa busca… Aí uma vez eu estava ouvindo a coletânea do John Lennon e começou a tocar a versão que ele fez da música “Stand by Me“, e no meio ele fala algo do tipo “whats up folks? / how you doing folks?”. E o Folks nada mais é do que pessoas/galera, e o que queremos com a música é isso, agregar pessoas de diferentes tipos, ideais, classe social, a gente acha que a música pode unir todo mundo independente de qualquer diferença. Criar um movimento onde as pessoas priorizem o amor.

– Vocês sempre tiveram vontade de seguir com a área musical ou tinham outros planos?

Sempre. Nossa batalha diária é sobreviver com a música por quê viver de música, nós já vivemos desde que fizemos nosso primeiro show, depois disso não teve como largar! rs

– Quais são as influências musicais de cada um?

A galera é bem eclética… Eu curto muito rock clássico dos anos 70, grunge dos 90…. O Paulinho é do Hardcore e curte anos 80… O Ygor curte muita música pesada…. Luca é do blues total… E o Vitor é fascinado pela MPB e Ramones.

– Vocês foram chamados para participar do projeto A cena Vive, como foi essa experiência?

Na verdade nós somos um dos idealizadores da #AcenaVive.

Em 2012 tínhamos acabado de lançar uma demo, assim como amigos de outras bandas. Não existia oportunidade nenhuma pra ninguém, só casas ruins, com equipamento caindo aos pedaços e pessoas que não respeitavam seu trabalho. Aí nos juntamos com outras duas bandas amigas do Rio (909 e Canto Cego) e criamos um evento chamado Rock Bandido. Esse evento lotou, ficou gente do lado de fora… Com esse sucesso, várias bandas da área queriam tocar no evento, e quando perguntavam qual e-mail era pra mandar o material, nós falávamos que não existia e que pra você tocar no evento você tinha que ir lá prestigiar as bandas que estavam tocando na edição anterior, trocar uma ideia, se conhecer e aí sim a gente pensava numa data. O grande lance foi tentar implantar uma ideologia que pra cena viver não basta só você querer fazer seu show, tem que prestigiar quem está a sua volta. Nisso, o Felipe Rodarte que é produtor do nosso disco, teve uma visão sobre tudo isso que estava acontecendo e resolver organizar as coisas pra termos uma dimensão maior. Ele me ligou, pediu pra eu ligar pra representantes de algumas bandas e marcarmos uma reunião. Esse é o embrião do que se tornou #AcenaVive, que não é um projeto ou coletivo, é muito maior que isso, é uma ideologia. Ideologia essa que consiste em você priorizar o que está ao seu redor ao invés de ficar trancado na “bolha do eu”.

– Já teve alguma loucura de fã? Se sim, como foi?

Esse final de semana que estivemos em São Paulo fizemos cinco shows, sendo que em dois deles, tiveram fãs que saíram do RJ só pra nos assistir.  A gente fica amarradão em saber que uma galera programou uma viagem que dura umas 6/7 horas, só por causa do nosso show. Ficamos lisonjeados.

– Como foi gravar na Toca do Bandido e a experiência de gravar o primeiro disco?

Foi incrível! A Toca é um templo!

Agente teve uma preocupação muito grande em relação aos timbres e o acervo da Toca nos ajudou a suprir essa vontade de fazer um disco completamente orgânico. Sempre nos falaram que éramos muito bons ao vivo, então o Rodarte, que produziu o disco foi pra essa direção no conceito do álbum.

O disco saiu em julho do ano passado pelo Toca Discos, que é o selo da Toca do Bandido e chegou a ser o 3° álbum de rock mais vendido no iTunes, estamos muito felizes com a resposta que tem rolado até hoje desse trabalho. Ainda tem bastante água pra rolar.

– Como foi a produção do clipe “Muito Som”?

Foi um processo bem legal, foi uma experiência nova pra gente e aprendemos muito.

“Muito Som” é uma música muito especial pra gente, então tivemos o cuidado com o clipe, essa música nos shows tem uma energia muito boa, na verdade ela passa uma energia boa para o público, e nós queremos que de alguma forma o clipe passasse isso também.

A Constança Scofield ajudou na direção artística e a galera da Semaforo Audiovisual de Goiânia que finalizou o roteiro e dirigiu.

Realmente o resultado superou nossas expectativas, ficou um trabalho muito bonito!

– E os planos para o final de 2016?

A gente pretende lançar dois videoclipes do nosso primeiro disco e já começamos o processo de composição para o próximo! A máquina não pode parar!

Acompanhe as mídias sociais de Folks:

ITunes

Spotify

Deezer

Soundcloud

Youtube

Site

Dica para ouvir + Entrevista: Blend 87

blend-87-2

A Banda Blend 87 tem influências de várias vertentes desde MPB, POP Internacional e Rock. São letras autorais bem elaboradas e traz uma proposta diferente de música brasileira.

Da região de Juiz de Fora (MG), a banda se destaca com o vocal feminino de Bruna Marlière que se completa com a formação de Douglas Poerner (baixo), Nathan Itaborahy (bateria), Renato da Lapa (violão e guitarra) e Vinícius Steinbach (teclado).

O Dicas da Paty bateu um papo com essa galera, que fala sobre a produção do primeiro disco, de como surgiu a banda e de como está sendo a experiência de participar do Festival Maloca, confere aí:

– Como aconteceu a formação da banda?

A banda foi idealizada pelo tecladista, Vinícius Steinbach, que já vinha tentando reunir os integrantes para um novo projeto. Devido à dificuldade de agendas e desencontros, este encontro só aconteceu em 2012, quando alguns artistas de Juiz de Fora se reuniram para homenagear o aniversário do primeiro álbum dos Beatles, cada um regravando uma versão de cada faixa do disco.

Percebendo a conexão musical e o desejo comum de fazer música, o projeto foi ganhando continuidade, até estrear nos palcos em maio de 2013, com um repertório variado que reunia diversas influências nacionais e internacionais. A formação atual, com Nathan Itaborahy na bateria, aconteceu em 2014 e acendeu ainda mais a proposta autoral da banda, já que todos os cinco integrantes são compositores.

– Como surgiu a ideia para o nome da banda?

Nos primeiros ensaios, antes de começar, sempre acontecia um café e um bate-papo e, em cada ocasião, o Vinícius levava um “blend” diferente de grãos pra fazer o café. A ideia do nome foi intuitiva quando se percebeu que a banda era fruto de uma mistura (tradução ao pé da letra da palavra “blend”) de estilos diferentes, que resultavam numa síntese sonora bem interessante.

E o número 87 representa o período no qual cada um nasceu; que vai do ano de 86 até 1989. A ideia da média entre os anos de nascimento era mostrar que tipo de som nasceria dessa geração, quase que como uma safra de grãos.

– Para quem não conhece vocês, como vocês descreveriam a banda?

Somos uma tentativa feliz de fazer alguma novidade da nossa mistura. O ritual do som, a celebração da possibilidade de estar juntos. Somos cinco juiz-foranos que não se cabem e acabam extravasando som.

– Quais são as influências musicais de cada um?

Beatles, Norah Jones, Los Hermanos, Gilberto Gil, Milton Nascimento, Caetano Veloso, Clube da Esquina, Skank, Graveola e o Lixo Polifônico, entre muitos outros que compõem essa mistura.

– Como foi participar do Festival da Maloca?

Foi uma experiência muito intensa e proveitosa. Passamos um dia inteiro entre gravar o single, o clipe e fazer a sessão de fotos. Encontramos na produtora pessoas maravilhosas e muito profissionais. Foi um dia de muito aprendizado, e de uma vivência musical da qual a banda se lembrará sempre. Agora vamos aguardar a divulgação dos vídeos a partir do dia 10 de outubro e torcer para que estejamos entre os cinco mais votados que irão participar de um show em Belo Horizonte.

– Vocês estão produzindo o primeiro disco, como está sendo esse processo?

Tem sido um processo de muito crescimento. O disco foi aprovado para ser realizado através de recursos da Lei Municipal Murilo Mendes de Incentivo à Cultura e desde o início do ano todo o projeto da banda vem cada dia mais tomando forma. A convivência intensa, a agenda apertada, a dedicação, a experiência de outros profissionais e opinião sobre nosso trabalho, tudo isso tem feito a banda estar cada vez mais alinhada e coesa. É uma etapa extremamente importante de concepção deste primeiro álbum e estamos aproveitando todas as oportunidades para fazer desse um momento inesquecível.

– E os planos para o segundo semestre de 2016?

São muitos. Temos a participação no Festival da Maloca, que está começando, também fomos selecionados para um Festival de música autoral aqui em Juiz de Fora, o Sangue Novo, a gravação do CD será em outubro e já temos alguns shows agendados. A expectativa é que o CD também seja lançado antes do fim do ano. Vamos seguir trabalhar muito para que isso ocorra.

Saiba mais da Banda:

Soundcloud:

Facebook: