Dica para ouvir + Entrevista com a Banda Infuria

A Banda Infuria está na cena independente desde 2015, formada em Porto Alegre, os caras fazem um som próprio com influências do grunge e Rock mais clássico.

A Infuria vem com formação de um trio: Magrão Fonseca (Guitarrista e vocalista), Michael Fonseca (Baixista) e Anderson Almeida (Baterista).

Recentemente lançaram o CD “Imperfeito” e o Clipe Oficial Destrua, está música faz parte do álbum lançado.

O Dicas da Paty bate um papo com essa galera que fala sobre o novo álbum de trabalho, o clipe oficial e os planos para o ano que vem. Curta, compartilhe e comentem o que acharam.

 

– Como aconteceu a formação da banda? 

Eu (Magrão), toquei durante sete anos na banda Fermo, banda no qual nós três já havíamos tocado juntos, o Anderson em 2007 a 2009; e o Michael em 2009 a 2010. Quando a banda acabou em 2015, eu não queria dar um tempo, queria continuar com novas ideias, com uma nova musicalidade que estava vivendo no momento, então não pensei duas vezes ao chamar velhos amigos de confiança pra essa nova etapa, tirando o fato que eu e o Michael somos primos, nós criamos juntos, ele me ensinou a tocar e conheci o Anderson em 2005, digamos que somos macacos velhos, mas gatinhos! (risos)

 

– Como surgiu a ideia para o nome da banda?

Nossa vontade de fazer Rock com peso sempre predominaram, então queríamos que o nome fosse algo agressivo que mostrasse através do nome o nosso tipo de som, algo Furioso; no início a ideia era Fúria, mas pesquisamos e já tinha uma banda com esse nome, então optamos por INFURIA, acho que ficou um bom nome, que combina bem com nosso Rock!

“queríamos que o nome fosse algo agressivo que mostrasse através do nome o nosso tipo de som”

– Para quem não conhece vocês, como vocês descreveriam a banda?

Somos uma banda que foge de tudo que é padrão, somos audaciosos, sem medo de “sentar o dedo”.

 

– Quais são as influências musicais de cada um?

Basicamente ouvimos e gostamos das mesmas bandas, acho que por unanimidade, bandas como Queens of The Stone age, MUSE, Silverchair e Nirvana.

 

– Como surgiu à ideia do clipe Destrua? Contem-nos como foi sua elaboração? Por que a escolha desse som?

Destrua é a nossa porta de entrada para o que realmente somos, desde a melodia, pesada, angustiante, que te pega de surpresa, a letra que retrata nada mais nada menos do que somos hoje; para nossa sociedade, pessoas descartáveis. Escolhemos por todos esses fatores e também porque amamos tocá-la, então pensamos, poxa, esse som merece um clipe; então chamamos nosso quarto integrante William Herrmann, que produz todo nosso material, todos os clipes, que nos atura e mata no peito nossas ideias de “giríco” e pega junto, unimos as ideias de fazer algo retro ao estilo VHS anos 80, usar prédios sendo destruídos; uma atuação de gala da banda, com a ajuda do nosso ilustre produtor Fell Rios, saiu essa obra de arte contemporânea.

 

– Qual a dica que você daria para jovens que se interessam em criar uma banda e seguir carreira artística?

Cara a gente toca a 15 anos no mínimo, vou ser breve, a música me deu muitas alegrias, ainda vai me dar muitas outras, então toque com coração, dedicação, busque sempre evoluir, não pare no tempo, e principalmente, faça o que vem da alma, não faça o que te falaram pra fazer, ou em busca de sucesso, se tu tocar de coração, ele vem ao natural, se não vir, tu fez o que tu ama e o que é de verdade, isso é importante!

“Toque com coração, dedicação, busque sempre evoluir, não pare no tempo, e principalmente, faça o que vem da alma”

– E os planos para o segundo semestre de 2017?

Como lançamos há três meses apenas nosso primeiro álbum, estamos fazendo muitos shows da Tour do álbum, pretendemos lançar mais um clipe, já lançamos 2, mas, tcha tcha tcha tchammm!!!! (risos) Já temos umas 15 músicas pré-produzidas, e delas vamos tirar cinco para talvez no início do ano tenhamos um EP para lançar, com uma cara nova e músicas muito mais loucas!

 

Gostaríamos de deixar um grande abraço ao pessoal do blog, por dar espaços a bandas novas do nosso cenário musical, isso é muito importante é a gente Valoriza demais isso! Que precisarem estaremos à disposição!
Grande abraço do Magro, do Michael e do Andy. Nos chamem de INFURIA e que a loucura esteja sempre em nós!!

Acompanhe o Facebook da Banda:

Facebook

Dica para o Final de Semana: O Pintinho Amarelinho

Certo dia, o Pintinho Amarelinho e sua irmã estavam brincando quando ficam sabendo, através da dona Barata, que o grande e maldoso Gavião está rondando o sítio do senhor Lobato. Todos ficam com muito medo e, dona Galinha, proíbe seus pintinhos de brincarem fora do galinheiro. Entretanto, o Pintinho Amarelinho, além de medroso, também é muito teimoso e resolve enfrentar seus medos. Com a ajuda do Sapo Cururu, ele pede ajuda para vários animais daquele sítio. Falam com Borboletinha, Formiguinha, dona Vaca, uma Pombinha Branca e muitos outros. Certo dia, ele tem a grande ideia de usar a fedorenta bomba que o senhor Sapo tem no pé. Depois de capturado, o senhor Gavião conta um segredo para o Pintinho que muda toda a história e prova para todos que as aparências enganam e muito!

Local: Teatro Ruth Escobar – Sala Miriam Muniz (Paulista)

Data: até 24 de Setembro; Domingos, às 16h.

Dica para o Final de Semana: O Mágico de Oz – O Espetáculo

O espetáculo tem texto e direção geral de um dos nomes mais conceituados na dramaturgia do Teatro para Crianças, Fernando Lyra Júnior, que ao longo de seus mais de 20 anos dedicados ao palco foi detentor de vários prêmios e críticas elogiosas. A peça conta a história de Dorothy, uma garotinha que se perde no Mundo de Oz e para conseguir o caminho de volta para a casa precisa encontrar o Grande Mágico de Oz. Com a ajuda da Bruxa do Norte, Dorothy começa a sua procura no caminho até o Castelo do Mágico, onde muita coisa acontece. Ela conhece seus três inseparáveis amigos: O Espantalho, O Homem de Lata e o Leão, que ajudam a menina a atingir seus objetivos.

Local: Teatro Ruth Escobar – Sala Dina Sfat (Paulista): Rua dos Ingleses, 209 – Bela Vista, São Paulo

Até 24 de Setembro; Domingos, às 17h30.

Na bilheteria: R$ 40,00

Dica para assistir: Cindy

A peça conta a história Cindy Spencer, que se auto intitula “A Nova Mulher”. Tem a missão de apresentar outras possibilidades, sem tantas predefinições e tabus. A peça é livremente inspirada em personagens de Caio Fernando Abreu, Gore Vidal, Oscar Wilde e Pedro Almodóvar, nos autorretratos Andy Warhol montado de drag queen e em textos de Elisabeth Bishop, Gertrud Stein e Marguerite Yourcenar.

Local: Biblioteca Mário de Andrade (Centro) – Rua da Consolação, 94 (Consolação)

Até 25 de Setembro; Segundas, às 19h.

Preço: Gratuito

Distribuição de ingressos 30 minutos antes de cada sessão.

Show de lançamento do novo EP da Banda NDK

No mês que vem, dia 28 de outubro, a partir das 22h, no Centro Cultural Rio Verde vai rolar o show de lançamento do EP “Impermanência” da Banda NDK. Com mais de Dez anos na estrada, a Banda carrega muita experiência e um público fiel. Neste ano, tiveram a oportunidade de tocar no renomeado Festival João Rock.

Este novo EP foi gravado entre os meses de Abril e Julho de 2017. O título trata-se sobre experiências que vivemos em certas situações do nosso dia a dia, como uma reflexão do nosso autodesenvolvimento.

O show será em outubro, mas o lançamento oficial será divulgado em todas as plataformas digitais no dia 22 de setembro.

No dia do show terá Open Bar de Vodka KADOV e DJs conhecidos como: Thiago Deejay (89FM A Rádio Rock) e Jota Wagner.

O Centro Cultural Rio Verde está localizado na Rua Bemiro Braga, 119 – São Paulo.

Classificação: 18 anos.

Os ingressos já podem ser garantidos no site:

https://www.sympla.com.br/ndk—lancamento-impermanencia__189889

CCBB promove edição de arte digital gratuita

Até o dia 18 de setembro, das 9h às 21h, o Centro Cultural Banco do Brasil, em São Paulo, promove a Mostra de arte visual.

Está é a primeira edição do FILE SOLO, uma modalidade inédita do Festival Internacional de Linguagem Eletrônica, que propõe diferentes experiências sensoriais.

O evento é gratuito e reúnem as obras do premiado artista belga Lawrence Malstaf, que usa a tecnologia e a física como ponto de partida e inspiração, ele cria experiências sensoriais e tecnológicas.

Festival das Cores acontece nesse Fim de Semana no Sambódromo

Para celebrar a primavera, no sábado (16), o Sambódromo do Anhembi abre suas portas para receber o Holi Festival das Cores 2017. Está é uma tradicional celebração indiana, com a intenção das pessoas ouvirem música, troquem gentilezas e pó colorido. A simbologia que existe no pó, é que cada cor diferente simboliza um dos chackras presentes no corpo.

O Festival é gratuito e terá atividades de meditação e yoga. A festa rola das 10h às 20h. Você pode adquirir os pós com antecedência pelo site oficial do Holi Festival das Cores.

Dica para ouvir + Entrevista com a Banda Kapitu

A Banda de Rock Kapitu, tem formação na cidade de Niterói, Rio de Janeiro e já estão na estrada desde 2008. Formada atualmente, por Yuri Corbal (Voz e Guitarra); Eduardo Matos (Guitarra); Irlan Guimarães (Baixo) e Rafael Marcolino (Bateria). Lançaram dois álbuns de maneira independente através de financiamento coletivo: “Utopia” (2013) e “Vermelho” (2015). Este último álbum, o show de lançamento foi realizado no Teatro Popular Oscar Niemeyer, com o registro da casa lotada.

Em 2012, a banda foi finalista do WebFestValda, show realizado no Circo Voador e Yuri Corbal levou o prêmio de melhor guitarrista do festival. A banda também gravou uma faixa inédita em um dos mais renomados estúdios do Rio de Janeiro, a Toca do Bandido. A música “Pra Nunca Te Deixar” foi lançada em Maio de 2014, alcançando grande repercussão nas redes sociais. Em julho de 2015, a banda foi selecionada novamente para participar do WebFestValda, na Fundição Progresso, chegando a final e dividindo o palco com artistas renomeados como: Pitty, Raimundos, Suricato e Nando Reis.

Atualmente a Kapitu divulga seu novo single “Cenas do Cotidiano”, disponível em todas as plataformas digitais.

O Dicas da Paty bateu um papo com essa galera que fala sobre o surgimento da Banda, o novo single e a relação com os fãs. Confira, curta e Compartilhe!

Como aconteceu a formação da banda?

A Kapitu surgiu em 2008, por causa de uma reunião de quatro amigos da escola. Eu (Yuri), Irlan e Jahba estudávamos juntos na infância e sempre tivemos afinidades musicais e o interesse de ter uma banda. Anos mais tarde concretizamos esse desejo e convidamos o Rafael pra entrar nessa conosco. Assim surgiu a Kapitu.

Como surgiu a ideia para o nome da banda?

Nós nos inspiramos no personagem de Machado de Assis para traduzir o que passamos em nossas letras e músicas. Falamos de pressa por viver, sexualidade e transgressão em diversos pontos, e achamos que esse nome representa muito disso tudo.

– Para quem não conhece vocês, como vocês descreveriam a banda?

Somos uma banda de Rock, com o infinito universo que isso possa significar. Nossas músicas podem falar melhor do que nós. Apenas ouçam.

Como foi gravar no Estúdio Toca do Bandido?

A Toca é um dos estúdios mais importantes do Brasil, e gravar lá é sempre uma experiência única! Existe toda uma energia naquele lugar, e trabalhar no mesmo espaço em que foram feitos muitos dos grandes álbuns da música brasileira é um privilégio! Queremos voltar muitas outras vezes ainda!

– Vocês têm uma galera fiel e que acompanha sempre a Banda, como é esse contato com o público? Como foi ver o apoio dos fãs no CD financiando?

Nós procuramos manter esse contato o mais próximo possível. Estamos sempre nos comunicando através de mensagens em nossas redes sociais e em nossos shows procuramos atender a todos que queiram trocar experiências conosco. Nossos fãs são nossos maiores aliados! O financiamento do álbum foi o reflexo positivo de toda essa relação criada entre nós e o público, e ficamos muito felizes em concretizar o trabalho mais importante da nossa carreira dessa maneira!

Como surgiu o novo single “Cenas do Cotidiano”?

“Cenas do Cotidiano” veio como reflexo da realidade violenta e caótica que estamos vivendo nas grandes cidades. Falar sobre nosso cotidiano e buscar mudanças é um dos principais deveres da arte.

Quais são as maiores dificuldades de ter uma banda e como vocês lidam com elas?

Os grandes desafios de ter uma banda independente são quebrar as barreiras da falta de espaços para se apresentar, superar falta de incentivo público e se manter ativo sempre criando conteúdos relevantes nas mídias sociais. Nós procuramos estar sempre tocando, viajando, lançando coisa nova e expandindo nossos horizontes. Só assim se sobrevive no meio.

– E os planos para o segundo semestre de 2017?

Seguiremos com a agenda de shows tocando no máximo de lugares que a gente puder. Estamos nos programando para lançar mais dois singles inéditos ainda esse ano e também vai sair a gravação do nosso show na Fundição Progresso! Muita coisa por vir!

Acompanhe as Redes Sociais da Banda:

http://www.kapitu.com.br

Youtube

Deezer

 

Dica para ouvir + Entrevista: Banda Eddie

Hoje, depois de várias formações, a Banda Eddie é composta por Fábio Trummer (guitarra & voz), Urêa (percussão & voz), Andret (trompetes, teclados & samplers), Kiko (bateria) e Rob (baixo), contando sempre com a parceria especial de Erasto Vasconcelos. A banda tem um estilo próprio e anima o público por aonde vai com referencias como o frevo.

A Eddie possui mais de quatro registros em discos: Sonic Mambo (Roadrunner, 1998), Original Olinda Style (independente, 2002), Metropolitano (independente, 2006), Carnaval no Inferno (independente, 2008) e Veraneio (Independente 2011).

O Dicas da Paty bate um papo com o vocalista Fabio Trummer que conta sobre o surgimento da Banda, parcerias e projetos futuros. Confere e conheça mais sobre a Banda Eddie:

 

Como aconteceu a formação da banda?

A banda teve início em 1989, dentro do Colégio Objetivo em Olinda, gazeávamos aula pra ir em casa tocar e fazer música. Começamos a fazer show no colégio e depois passamos para bares da cidade, bares das cidades vizinhas, estados vizinhos… e assim, pegou embalo.

 

Como surgiu a ideia para o nome da banda?

Os nomes das bandas no país da época eram todos compostos, e queríamos fazer outra coisa, algo mais sem fronteiras, dai veio a ideia de um nome próprio para um grupo de pessoas, “todos reunidos numa pessoa só”. Tinha 19 anos na época.

 

Vocês sempre tiveram vontade de seguir com a área musical ou tinham outros planos?

Estudei arquitetura, outro turismo, outros mais novos da banda já vieram da cena musical do estado de PE, da vontade de ser músico desde sempre.

 

 – Para quem não conhece vocês, como vocês descreveriam a banda?

Somos uma banda que fazemos musica popular urbana brasileira e só sabemos tocar do nosso jeito.

 

Quais são as influências musicais de cada um?

A nossa própria música é nossa guia nas influências e referências, que sempre estão mudando, sempre ouvindo coisas novas, conhecendo coisas antigas, procurando coisas escondidas nos países menos explorados, é um mundo inteiro de sons e estéticas.

 

 – Como surgiu a ideia do clipe com a participação especial Karina Buhr?

A Karina Buhr é uma amiga antiga, do inicio dos anos 90, ela fez parte da banda e gravou o álbum Sonic Mambo com a gente em Massachussetes, EUA, em 1998; Nesse primeiro álbum, dos nossos sete trabalhos lançados, ela gravou em cinco e sempre está fazendo show com a gente pelo país. Considero que ela é uma Eddie especial, foi por isso, que ela pintou no clipe. Há um clipe de “falta de sol” de 1996, do selo Rockit!!! Que ela também está presente, ela foi da banda por quase quatro anos.

 

 – E os planos para o segundo semestre de 2017?

Estamos lançando três singles até o fim do ano, um por mês, que fazem parte do nosso próximo trabalho e que sai em janeiro de 2018, O “Mundo Engano”, nosso sétimo álbum.

Escute toda a discografia da Banda Eddie nas principais plataformas digitais:

Clipe Banda Eddie participação especial Karina Buhr

DEEZER

ITUNES

Sua banda na Expomusic: Últimos dias para se inscrever no Rock Lounge

Já imaginou se apresentar num dos maiores eventos da música no mundo? As inscrições para as bandas e artistas interessados em tocar no Rock Lounge da Expomusic 2017 estão abertas no site www.loudmusica.com.br até dia 15 de setembro.

Podem participar bandas e artistas de todas vertentes e gêneros. Um dos critérios para a escolha é a votação popular. Por isso, é importante que cada inscrito divulgue e peça votos nas redes sociais por meio de um link gerado após a inscrição. No dia 15 de setembro será encerrada a votação, e no dia 20 de setembro, saíra a lista das bandas convidadas. A votação popular indicará 50% do total das bandas que tocarão no evento, cabendo à curadoria a escolha das restantes e a confirmação ou não da preferência popular, após ser definida a quantidade total de apresentações.

A Expomusic é um dos maiores eventos profissionais da música no mundo, e acontece nos dias 4 à 8 de outubro, no Anhembi, em São Paulo. Os dois primeiros dias (4 e 5) são abertos exclusivamente a lojistas, compradores e profissionais do setor, e os demais (6, 7 e 8), aos amantes da música em geral, mediante bilheteria.

No pavilhão de exposições do Anhembi, ficam expostas as novidades em instrumentos e acessórios de grandes marcas mundiais. São milhares produtos lançados por empresas nacionais e estrangeiras, de diversos países, que os visitantes podem aproveitar. A parte externa do pavilhão, que abrange o espelho d’água, é ocupada pelo Rock Lounge, idealizado por MRossi em seu programa de rádio que promove novos talentos.

 

HORÁRIOS:

Dias 4 a 7: das 13h às 21h

Dia 8: das 13h às 19h

Menores de 12 anos e maiores de 60 não pagam ingresso.

LOCAL: Anhembi (Avenida Olavo Fontoura, 1209 – São Paulo – SP – Brasil)

Site: www.expomusic.com.br

Twitter: @feiraexpomusic

Facebook: Feira Expomusic

Google +: Expomusic

Instagram: Expomusic

Informações: pelo telefone (11) 2226-3100 ou e-mail: sav@francal.com.br