Dicas para ouvir + Entrevista: Banda Folks

folks

A Banda carioca Folks vem se destacando no cenário independente com um som autoral, composições bem elaboradas e melodias no estilo do Classic Rock. Tem um vocal potente do vocalista Kauan Calazans que se completa com Luca Neroni (guitarra), Paulinho Barros (guitarra/voz), Vitor Carvalho (baixo/Voz) e Ygor Helbourn (bateria),

A banda lançou em 2015 seu primeiro álbum, gravado na Toca do Bandido com produção de Felipe Rodarte. Tem um som envolvente e suas letras falam sobre questões amorosas e questões de autoconhecimento que cada um precisa ter. Destaco algumas músicas como: “Carol”, “A Casa dos lugares”, “Sei”, “Muito Som” e “Para Um Grande Amor“.

Eles já viajaram por diversos estados fora do Rio de Janeiro, como São Paulo, Brasília, Minas Gerais e entre outros. Seu Clipe “Muito Som” está perto de completar 100 mil visualizações no Yuotube:

O vocalista Kauan Calazans conta para os leitores do Dicas da Paty sobre a produção do primeiro disco, a produção do clipe e de como surgiu a idealização do projeto #AcenaVive.

– Como aconteceu a formação da banda?

A galera já se conhecia da estrada. O Folks se formou em 2011, mas todos já tinham pelo menos 10 anos de experiência na cena independente. Nós juntamos naquela época pra fazer um som que tocasse nossos corações, que realmente nos fizesse sentir bem, quando entramos no estúdio não sabíamos o que iria acontecer.

– Como surgiu a ideia para o nome da banda?

Nós já estávamos compondo, mas não tinha nome e estávamos nessa busca… Aí uma vez eu estava ouvindo a coletânea do John Lennon e começou a tocar a versão que ele fez da música “Stand by Me“, e no meio ele fala algo do tipo “whats up folks? / how you doing folks?”. E o Folks nada mais é do que pessoas/galera, e o que queremos com a música é isso, agregar pessoas de diferentes tipos, ideais, classe social, a gente acha que a música pode unir todo mundo independente de qualquer diferença. Criar um movimento onde as pessoas priorizem o amor.

– Vocês sempre tiveram vontade de seguir com a área musical ou tinham outros planos?

Sempre. Nossa batalha diária é sobreviver com a música por quê viver de música, nós já vivemos desde que fizemos nosso primeiro show, depois disso não teve como largar! rs

– Quais são as influências musicais de cada um?

A galera é bem eclética… Eu curto muito rock clássico dos anos 70, grunge dos 90…. O Paulinho é do Hardcore e curte anos 80… O Ygor curte muita música pesada…. Luca é do blues total… E o Vitor é fascinado pela MPB e Ramones.

– Vocês foram chamados para participar do projeto A cena Vive, como foi essa experiência?

Na verdade nós somos um dos idealizadores da #AcenaVive.

Em 2012 tínhamos acabado de lançar uma demo, assim como amigos de outras bandas. Não existia oportunidade nenhuma pra ninguém, só casas ruins, com equipamento caindo aos pedaços e pessoas que não respeitavam seu trabalho. Aí nos juntamos com outras duas bandas amigas do Rio (909 e Canto Cego) e criamos um evento chamado Rock Bandido. Esse evento lotou, ficou gente do lado de fora… Com esse sucesso, várias bandas da área queriam tocar no evento, e quando perguntavam qual e-mail era pra mandar o material, nós falávamos que não existia e que pra você tocar no evento você tinha que ir lá prestigiar as bandas que estavam tocando na edição anterior, trocar uma ideia, se conhecer e aí sim a gente pensava numa data. O grande lance foi tentar implantar uma ideologia que pra cena viver não basta só você querer fazer seu show, tem que prestigiar quem está a sua volta. Nisso, o Felipe Rodarte que é produtor do nosso disco, teve uma visão sobre tudo isso que estava acontecendo e resolver organizar as coisas pra termos uma dimensão maior. Ele me ligou, pediu pra eu ligar pra representantes de algumas bandas e marcarmos uma reunião. Esse é o embrião do que se tornou #AcenaVive, que não é um projeto ou coletivo, é muito maior que isso, é uma ideologia. Ideologia essa que consiste em você priorizar o que está ao seu redor ao invés de ficar trancado na “bolha do eu”.

– Já teve alguma loucura de fã? Se sim, como foi?

Esse final de semana que estivemos em São Paulo fizemos cinco shows, sendo que em dois deles, tiveram fãs que saíram do RJ só pra nos assistir.  A gente fica amarradão em saber que uma galera programou uma viagem que dura umas 6/7 horas, só por causa do nosso show. Ficamos lisonjeados.

– Como foi gravar na Toca do Bandido e a experiência de gravar o primeiro disco?

Foi incrível! A Toca é um templo!

Agente teve uma preocupação muito grande em relação aos timbres e o acervo da Toca nos ajudou a suprir essa vontade de fazer um disco completamente orgânico. Sempre nos falaram que éramos muito bons ao vivo, então o Rodarte, que produziu o disco foi pra essa direção no conceito do álbum.

O disco saiu em julho do ano passado pelo Toca Discos, que é o selo da Toca do Bandido e chegou a ser o 3° álbum de rock mais vendido no iTunes, estamos muito felizes com a resposta que tem rolado até hoje desse trabalho. Ainda tem bastante água pra rolar.

– Como foi a produção do clipe “Muito Som”?

Foi um processo bem legal, foi uma experiência nova pra gente e aprendemos muito.

“Muito Som” é uma música muito especial pra gente, então tivemos o cuidado com o clipe, essa música nos shows tem uma energia muito boa, na verdade ela passa uma energia boa para o público, e nós queremos que de alguma forma o clipe passasse isso também.

A Constança Scofield ajudou na direção artística e a galera da Semaforo Audiovisual de Goiânia que finalizou o roteiro e dirigiu.

Realmente o resultado superou nossas expectativas, ficou um trabalho muito bonito!

– E os planos para o final de 2016?

A gente pretende lançar dois videoclipes do nosso primeiro disco e já começamos o processo de composição para o próximo! A máquina não pode parar!

Acompanhe as mídias sociais de Folks:

ITunes

Spotify

Deezer

Soundcloud

Youtube

Site

Dica para ouvir: Banda Doze

banda-doze

A Banda de rock Doze é da região de Santo André – SP. Lançou , em 2015, o primeiro álbum, gravado, mixado e masterizado no Family Mob Studios por André Kbelo.

No seu canal no Yuotube, a banda divulgou o Clipe oficial da música “Nation”, que faz parte do álbum de estreia da banda, lançado em 2015.

Sua formação vem com Tiago Barranco (Voz), Bruno Novato (Guitarra), Eduardo Kalynytschenko (Guitarra), Breno Martins (Baixo) e Caio Silva (Bateria).

Redes Sociais:

Site: dozeoficial.com

Instagram: instagram.com/dozeoficial

Youtube: youtube.com/dozeoficial

Twitter: twitter.com/doze_oficial

Dica para o Final de Semana: Show de Filipe Catto Gratuito

14322399_1290997580932048_7597812836188930535_n

No próximo domingo, dia 25 de setembro, o cantor Filipe Catto será o convidado do projeto “Encontros Musicais”, evento da rádio Nova Brasil FM. O show acontecerá ao meio-dia, na praça do 2º piso do Shopping Eldorado. O cantor apresenta o novo álbum, intitulado Tomada com onze faixas.

Dica para ouvir + Entrevista: Banda Evren

14322669_1199166753489035_2683655277646896244_n

A Banda Paulistana Evren está na cena independente já faz três anos e tem um público fiel. Com mais de 5.600 seguidores na Página oficial do Facebook, a tendência é que este número aumente pelo lançamento do novo disco intitulado 4Reis.

O álbum 4Reis foi gravado, mixado e masterizado na NGMusic por Vinícios Nage e este mês eles lançaram na página do Yuotube a Faixa 07 “Falsa Calmaria”.

Sua formação vem com Fábio Vieira (Voz e Guitarra), Sabão (Baixo), Clayton (Guitarra) e Rafael Molessani (Bateria). E o Dicas da Paty bateu um papo com essa galera que conta sobre a produção do novo disco e sobre a cena independente, confere aí:

– Como aconteceu a formação da banda?

A formação da banda foi gradual, iniciou com o Fábio (Voz, guitarra base) e o Sabão (Contrabaixo), em seguida teve a entrada do Rafael (Bateria), após isso teve a passagem do Tiago nas guitarras solo, mas o Tiago anunciou saída da banda por motivos particulares e quem assumiu as Guitarras solo foi o Clayton!

– Como surgiu a ideia para o nome da banda?

EVREN é Universo em Turco, e a ideia vem de unir versos.

– Para quem não conhece vocês, como vocês descreveriam a banda?

Para quem não conhece a EVREN eu descrevo a banda como um Rock Doidera haha, brincadeira acho que um som autêntico e letras trabalhadas, com verdadeiras influências do bom Rock sem deixar de lado uma boa melodia, somos parte de um movimento.

– Quais são as influências musicais de cada um?

Fábio – Thrice/Silverchair

Renan – Thrice/Red Hot Chili Peppers

Rafael – Blink 182/Foo Fighters

Clayton – Beatles/Jimi Hendrix

– Vocês tem uma galera fiel que acompanha sempre a Banda, como é esse contato com o público?

Sim, sim tem uma galera fiel sim, que sempre está com a gente, e é simples responder isso né, essa galera é o motivo de tudo, o combustível da parada saca, a gente tem uma missão e essa missão é compartilhar nossas ideias com essa galera e aumentar cada vez mais esse contato de ideais, amor e música. E sobre o contato com a nossa Família (Assim que a gente vê o publico) é bem próximo tanto nos shows quanto aqui na internet, acreditamos que o vinculo é o grande tempero da energia trocada, todos somos EVREN.

– Como surgiu a ideia e a produção do disco 4reis?

A ideia surgiu do fato de dar as caras na cena e mostrarmos o porque de estar nela, o quatro reis é um registro de vivência da banda ao longo de tres anos, que relata o inicio de tudo. Este disco conta com a produção musical de Vinicios Nage (NGMusic), e a direção de voz de Lucas Nage (Banda Supertoy). São dez faixas que viajam dentro das principais vertentes do Rock.

– Quais são as maiores dificuldades de ter uma banda e como vocês lidam com elas?

Vejo na banda um trabalho assim como em outras profissões, então dificuldades existem sim, infelizmente vejo uma competição entre bandas da cena que não deveria existir, lugares onde o dinheiro fala mais que a musicalidade, enfim poderia ficar horas “Chorando” as dificuldades, mas resolvemos olhar positivo e trabalhar sempre, e principalmente oferecer bom conteúdo.

– E os planos para o segundo semestre de 2016?

Acho que a finalização do disco Quatro Reis é o principal, temos também algumas datas de programas para gravar, estamos pensando em um clipe, e qual vai ser o primeiro som para este registro filmado? Não sabemos ainda haha!! Mas uma coisa é fato, já estamos pré-produzindo um EP com mais quatro faixas e o nome dele vai ser Quatro Planetas, que é uma continuação do disco Quatro Reis!

 

Dica para ouvir: Vespas Mandarinas

img_0332

Vespas Mandarinas é uma banda de rock formada na cidade de São Paulo, no ano de 2009. A formação atual é composta por Thadeu Meneghini (voz e baixo) e Chuck Hipolitho (voz e guitarra). Com um rock abrangente, visceral e direto, a Vespas tem em suas melodias muita atitude e relata o cotidiano agitado da cidade de São Paulo.

Lançaram em 2010 seu primeiro EP, intitulado “Da Doo Ron Ron”, após esse lançamento ocorreram mudanças entre os integrantes; No ano seguinte, em 2011, lançaram mais um EP, “Sasha Grey”, mostrando o potencial da banda. Após dois anos fazendo bons shows, ao lado de outros nomes da cena emergente do rock nacional, como Black Drawing Chalks e Vivendo do Ócio; a banda fecha com a Deck, para produzir e lançar seu primeiro álbum inteiro, essa era a alavanca que a banda precisava.

Seu álbum de estreia foi intitulado como “Animal Nacional“, este que foi indicado ao 14º Grammy Latino na categoria “Melhor Álbum de Rock Brasileiro”, em 2013. No álbum, tem as influencias de Bandas nacionais dos anos 80 e 90.  Destaco algumas músicas desse álbum que gosto bastante: “Cobra de Vidro”; a sensacional “Não Sei O Que Fazer Comigo”, versão de “Ya No Sé O Qué Hacer Conmigo”, da banda uruguaia El Cuarteto de Nos; “Santa Sampa”; “O Herói Devolvido”; e “O Inimigo”.