Dica para ouvir: Backfield Rock

backfield-rock-2

A Backfield Rock é uma banda de rock independente formada em São Bernardo do Campo, SP em 2008. Tem influências de bandas como: Red Hot Chilli Peppers, Charlie Brown Jr, Pearl Jam e Limp Bizkit.

Sua formação vem com: Zack (Vocal), Fernando (Guitarra), Julio (Baixo) e Barba (Bateria). O nome da banda é derivado de um posicionamento no futebol americano composto por 4 ou 5 jogadores, pode ser apenas defensivo ou ofensivo.

Redes sociais:

Site

Facebook

Instagram

Youtube

 

 

Dica para ouvir + Entrevista: Banda Evren

14322669_1199166753489035_2683655277646896244_n

A Banda Paulistana Evren está na cena independente já faz três anos e tem um público fiel. Com mais de 5.600 seguidores na Página oficial do Facebook, a tendência é que este número aumente pelo lançamento do novo disco intitulado 4Reis.

O álbum 4Reis foi gravado, mixado e masterizado na NGMusic por Vinícios Nage e este mês eles lançaram na página do Yuotube a Faixa 07 “Falsa Calmaria”.

Sua formação vem com Fábio Vieira (Voz e Guitarra), Sabão (Baixo), Clayton (Guitarra) e Rafael Molessani (Bateria). E o Dicas da Paty bateu um papo com essa galera que conta sobre a produção do novo disco e sobre a cena independente, confere aí:

– Como aconteceu a formação da banda?

A formação da banda foi gradual, iniciou com o Fábio (Voz, guitarra base) e o Sabão (Contrabaixo), em seguida teve a entrada do Rafael (Bateria), após isso teve a passagem do Tiago nas guitarras solo, mas o Tiago anunciou saída da banda por motivos particulares e quem assumiu as Guitarras solo foi o Clayton!

– Como surgiu a ideia para o nome da banda?

EVREN é Universo em Turco, e a ideia vem de unir versos.

– Para quem não conhece vocês, como vocês descreveriam a banda?

Para quem não conhece a EVREN eu descrevo a banda como um Rock Doidera haha, brincadeira acho que um som autêntico e letras trabalhadas, com verdadeiras influências do bom Rock sem deixar de lado uma boa melodia, somos parte de um movimento.

– Quais são as influências musicais de cada um?

Fábio – Thrice/Silverchair

Renan – Thrice/Red Hot Chili Peppers

Rafael – Blink 182/Foo Fighters

Clayton – Beatles/Jimi Hendrix

– Vocês tem uma galera fiel que acompanha sempre a Banda, como é esse contato com o público?

Sim, sim tem uma galera fiel sim, que sempre está com a gente, e é simples responder isso né, essa galera é o motivo de tudo, o combustível da parada saca, a gente tem uma missão e essa missão é compartilhar nossas ideias com essa galera e aumentar cada vez mais esse contato de ideais, amor e música. E sobre o contato com a nossa Família (Assim que a gente vê o publico) é bem próximo tanto nos shows quanto aqui na internet, acreditamos que o vinculo é o grande tempero da energia trocada, todos somos EVREN.

– Como surgiu a ideia e a produção do disco 4reis?

A ideia surgiu do fato de dar as caras na cena e mostrarmos o porque de estar nela, o quatro reis é um registro de vivência da banda ao longo de tres anos, que relata o inicio de tudo. Este disco conta com a produção musical de Vinicios Nage (NGMusic), e a direção de voz de Lucas Nage (Banda Supertoy). São dez faixas que viajam dentro das principais vertentes do Rock.

– Quais são as maiores dificuldades de ter uma banda e como vocês lidam com elas?

Vejo na banda um trabalho assim como em outras profissões, então dificuldades existem sim, infelizmente vejo uma competição entre bandas da cena que não deveria existir, lugares onde o dinheiro fala mais que a musicalidade, enfim poderia ficar horas “Chorando” as dificuldades, mas resolvemos olhar positivo e trabalhar sempre, e principalmente oferecer bom conteúdo.

– E os planos para o segundo semestre de 2016?

Acho que a finalização do disco Quatro Reis é o principal, temos também algumas datas de programas para gravar, estamos pensando em um clipe, e qual vai ser o primeiro som para este registro filmado? Não sabemos ainda haha!! Mas uma coisa é fato, já estamos pré-produzindo um EP com mais quatro faixas e o nome dele vai ser Quatro Planetas, que é uma continuação do disco Quatro Reis!

 

Dica para o final de semana: Asgard FEST

14022143_1736045626646726_1971002563862282026_n

Neste Sábado, dia 24 de setembro, no Fofinho Rock Bar vai acontecer a festa Asgard Fest, com seis Super Shows: Pagan Throne (Pagan Metal / RJ), Brave (Epic Power Metal), Arthanus (Viking Metal), Orthros (Pagan Metal) e Storyteller (Blind Guardian Tribute) e TE (Folk). Além, de exposições de Artigos Viking/Medievais.

O valor de entrada Antecipado é R$ 20 e na Porta R$ 30. O Fofinho Rock Bar está localizado na Avenida Celso Garcia, 2.728, Belenzinho/SP – Próximo ao Metrô Belém.

Dica para ouvir + Entrevista: Movin UP

14441137_1163475587044371_7689819003276395225_n

A Banda Movin UP é uma banda paulistana de Pop Rock, com formação desde 2012 e tem como integrantes Lú Miezza (Voz), Juci Nascimento (Voz), Celso Ricardi (Guitarra), Paulo Muniz (Teclado), Sergio Sampaio (Baixo) e Renan Bozute (Bateria).

A banda apresenta-se, geralmente, em casas noturnas conceituadas nas noites paulistanas e tem como repertório grandes hits de artistas do estilo Pop ao Rock, como Adele, Maroon 5, Cazuza, Lady Gaga, Coldplay, U2, Simple Minds, Lulu Santos, Erasure e Queen.

O Dicas da Paty bateu um papo com essa galera, confere aí:

– Como aconteceu a formação da banda?

A Formação ocorreu na vontade de quatro amigos já estabelecidos na noite paulistana em tocar juntos, com uma proposta um pouco diferente do que estava rolando na época, com um repertorio voltado para o público feminino, por isso sentimos a necessidade de acrescentar uma voz feminina e assim encontramos nossa diva Lu Miezza, que se juntou a banda logo no inicio do projeto.

 

– Como surgiu a ideia para o nome da banda?

A ideia surgiu com a proposta, de formar uma banda com um repertório voltado para o publico feminino e com uma característica dançante, então Movin’up traduziu bem esse espirito.

 

– Vocês sempre tiveram vontade de seguir com a área musical ou tinham outros planos?

Na Banda todos trabalhamos integralmente com música, alguns somente com a banda e outros também como professores de música, como a profissão de musico já consome muito tempo fica muito difícil se dedicar a outra atividade.

 

– Quais são as influências musicais de cada um?

As influencias são diversas, vai desde o Pop atual até o Jazz tradicional, passando até pela musica Raiz; é bem comum encontrar postagens em nossas redes sociais de vídeos com músicas regionais, nesse sentido somos muito ecléticos,

 

– E os planos para o segundo semestre de 2016?

Os Planos para o segundo semestre é melhorar ainda mais, o nosso repertório, com material de divulgação, conquistar novas casas e levar nosso show para o maior número de pessoas e lugares possível, sempre com muita dedicação, qualidade e Amor.

 

Para saber mais sobre a Banda: www.bandamovinup.com.br

13938374_1135733979818532_4090100419009368239_n

Dica para ouvir + Entrevista: Banda Cafeína

14424070_10206035651604361_1657367442_omm

A Banda Cafeína é uma Banda de rock alternativo que mescla um som pesado junto com um som mais melódico. Da região de Castanhal, no estado do Pará, sua formação é composta pelos integrantes: André Costa (Vocal/Baixo), Clailson Sena (Bateria), Moletom Saldanha (Guitarra) e Renan Miranda (Guitarra). Está formação atual é desde 2012, mas o inicio de sua trajetória e desde 2005.

A banda já participou de vários eventos e festivais, apresentando suas músicas tem como abordagem questões amorosas, sociais e situações do cotidiano de cada um.

Em maio de 2016, a banda lançou seu primeiro trabalho intitulado “Ascensão”, um EP com seis faixas. O EP foi produzido por Janilson Barbosa e tem sua distribuição online para todos conferirem.

O Dicas da Paty bateu um Papo com a galera, confere aí:

– Como aconteceu a formação da banda? 

A Banda Cafeína nasceu em 2005, dos irmãos Alan Costa e Adriano Costa, no sentido de tocar como banda de garagem, só para os amigos mais próximos e conhecidos, na cidade de Castanhal, região metropolitana no estado do Pará. Adriano tocava baixo, e Alan, guitarra. Certo dia, os dois estavam conversando com mais três amigos, e eles tiveram a ideia de chamá-los para formar o Cafeína; esses três amigos eram: Madson Careca na guitarra, Tiago Purosso na bateria, e Gaby Barros, estando no vocal. Desde então a banda fora mudando os integrantes, até estar na formação atual que está hoje.

 

 – Como surgiu a ideia para o nome da banda?

Simples: Alan (guitarra), Adriano (ex-baixo) e André (atual-baixo), são irmãos. Eles eram (e ainda são) apaixonados por café. A subjeção do nome veio depois de tanto que os três tomaram café juntos na época dos primórdios da banda; a ideia veio à cabeça, e o nome pegou. Desde então a banda usa este nome para se apresentar.

 

– Para quem não conhece vocês, como vocês descreveriam a banda?

Fazemos um som alternativo, intercalando entre um som mais pesado, e um som mais melódico, nada muito diferente; riffs de guitarra simples, com letras que falam de amor, quanto ao desgosto de como está a nossa sociedade no geral, sobre a desigualdade social, e sobre nós mesmos, algo que seja direto que deixe uma marca pra quem ouvir as músicas.

 

 – Quais são as influências musicais de cada um?

Bom, é uma mistura bem grande e louca: Eu (Renan Miranda) curto bastante Rock Alternativo/Jazz Fusion/Shoegaze, e bandas como Red Hot Chili Peppers, CHON e Title Fight não podem sair da minha playlist. Já o Clailson e o Alan têm os gostos idênticos, ambos curtem bastante New Metal, e sempre estão ouvindo Slipknot, Korn, Linkin Park e Evanescence, por conta dos vocais agressivos e das melodias pesadas. E o André é fã de carteirinha de reggae. Chimarruts, S.O.J.A e Mato Seco sempre lhes dão inspiração. A banda como um todo curte Hardcore melódico, e ela sempre fala bastante nos projetos das bandas Dead Fish, Bullet Bane, Plastic Fire e Zander, que são influências universais para nós quatro.

 

 – Como foi a produção do EP “Ascensão”?

Durou aproximadamente um ano, tivemos um trabalho árduo para montar essas seis músicas. Corríamos para o estúdio de um amigo nosso (Janilson Barbosa) da nossa cidade, gravávamos cada instrumento, e esperávamos o trabalho ser mixado e masterizado. O nosso tempo foi muito corrido nessa época e sempre tínhamos que nos policiar e fazer as agendas das sessões; e o Janilson foi uma ótima pessoa em deixar o trabalho com um ‘ar’ de cara nova para as seis músicas que estão no EP. Tudo feito com muito amor e carinho para quem ouvir o EP, e para nós mesmos, que trabalhamos bastante no mesmo.

 

 – E os planos para o segundo semestre de 2016?

Pra agora, estamos correndo atrás de eventos para tocar em nossa cidade. A banda está trabalhando em novas composições, mas sem deixar de lado o nosso novo EP. Os eventos regionais sempre acontecem, e sempre estaremos lutando para tocar neles, e estamos preparando uma agenda ainda este ano. Já ano que vem, em janeiro, começaremos com gás em eventos confirmados aqui na cidade, e em outras cidades do estado, se possível, fechar com algum selo independente, e poder realizar um tour regional, ou nacional. Estamos muito esperançosos por isso.

14199555_1034158440035258_6874389928711653205_nm

Dica para ouvir: Vespas Mandarinas

img_0332

Vespas Mandarinas é uma banda de rock formada na cidade de São Paulo, no ano de 2009. A formação atual é composta por Thadeu Meneghini (voz e baixo) e Chuck Hipolitho (voz e guitarra). Com um rock abrangente, visceral e direto, a Vespas tem em suas melodias muita atitude e relata o cotidiano agitado da cidade de São Paulo.

Lançaram em 2010 seu primeiro EP, intitulado “Da Doo Ron Ron”, após esse lançamento ocorreram mudanças entre os integrantes; No ano seguinte, em 2011, lançaram mais um EP, “Sasha Grey”, mostrando o potencial da banda. Após dois anos fazendo bons shows, ao lado de outros nomes da cena emergente do rock nacional, como Black Drawing Chalks e Vivendo do Ócio; a banda fecha com a Deck, para produzir e lançar seu primeiro álbum inteiro, essa era a alavanca que a banda precisava.

Seu álbum de estreia foi intitulado como “Animal Nacional“, este que foi indicado ao 14º Grammy Latino na categoria “Melhor Álbum de Rock Brasileiro”, em 2013. No álbum, tem as influencias de Bandas nacionais dos anos 80 e 90.  Destaco algumas músicas desse álbum que gosto bastante: “Cobra de Vidro”; a sensacional “Não Sei O Que Fazer Comigo”, versão de “Ya No Sé O Qué Hacer Conmigo”, da banda uruguaia El Cuarteto de Nos; “Santa Sampa”; “O Herói Devolvido”; e “O Inimigo”.